PIRA indica: Boas leituras para as férias

Dois livros importantes para compreendermos a realidade da construção social da loucura e do encarceramento, assim como das alianças entre a lógica manicomial e a lógica penal. Aqui são eles:

Revelações da Casa Dos Loucos (Miguel Ángel Añez)

livro pira

Miguel é psicólogo clínico e morador de Florianópolis, com mais de vinte anos de experiência e tenho trabalhado em diversos países. Aplicando a Psicologia Clínica de Sartre, a narrativa do livro Revelações da Casa dos Loucos se desenvolve no Hospital Psiquiátrico Judicial de Florianópolis e desnuda a incapacidade da psiquiatria para tirar as pessoas desse escuro e desesperante labirinto das perturbações psicológicas. “Ninguém nasce condenado a tornar-se louco; a loucura é fabricada”, esclarece o psicólogo Miguel Ángel. Nas páginas desta obra, o leitor conhece e compreende o “mundo” dos loucos e as suas loucuras, como também, a impostura da psiquiatria e os seus silêncios.

Para acesso: clique no link.

O Crime Louco (Ernesto Venturini, Domenico Casagrande e Lorenzo Toresini).
Tradução de

Maria Lúcia Karam
livro pira 2
Livro produzido no Brazil com a ajuda do Conselho Federal de Psicologia. São casos paradigmáticos de junção do direito penal com a psiquiatria, um contra o outro e nãocomo no início dessa junção amarga de um com o outro: sobra de soma zero. Os hospitais psiquiátricos judiciários da Itália, os manicômios judiciários, ou hospitais de custódia e tratamento psiquiátricos, como diz a lei, no Brasil sempre operaram em relação ao crime do louco de modo a fazer com que fossem tratados de maneira a cumprir a profecia do afastamento para sempre, a segregação eterna não prevista na legislação brasileira, mas que ainda tem espaço no ergástulo italiano. Pelo menos no mundo sombrio da “previsão legal”.
Leitura em .pdf nesse link: O Crime Louco.
Anúncios

PIRA indica: Filmes no blog Embriaguez Artística

Em texto de Victor Silveira, o blog Embriaguez Artística apresenta uma proposta de 10 filmes sobre sujeitos em situação de sofrimento psíquico. Como diz no post, “a importância do cinema se refere às transformações na experiência estética e na percepção sensorial das coletividades humanas” e sabemos da importância dos recursos audiovisuais para a ampliação de percepções e ideias sobre a existência humana.

Recomendamos a leitura: clique aqui !

Saudações Antimanicomiais,
Coletivo PIRA

PIRA indica: Filmes

O Coletivo PIRA indica mais dois filmes!

O Solista, EUA/Reino Unido, 2009. Direção de: Joe Wright.

Steve Lopez é um colunista famoso do Los Angeles Times e vive em busca de uma história incomum. Em um dia como outro qualquer, não exatamente em sua busca por uma matéria, ele ouve na rua uma música e descobre Nathaniel, tocando muito bem num violino de apenas duas cordas. Seu nome é Nathaniel Ayers, um dos milhares de sem teto das ruas de Los Angeles, ex-músico que sofre de esquizofrenia, sonha em tocar num grande concerto e é um eterno apaixonado por Beethoven. Lopez prepara uma coluna sobre sua descoberta e recebe de um leitor, como doação, um instrumento para o músico. É o começo de uma interessante amizade.

Febre do Rato, Brasil, 2012. Direção de Cláudio Assis.

Febre do Rato é uma expressão popular típica da cidade do Recife que designa alguém quando está fora de controle, alguém que está danado. E é assim que Zizo, um poeta inconformado e de atitude anarquista, chama um pequeno tablóide que ele publica com o próprio dinheiro. Na cidade úmida e escaldante, enfiada na beira de mangues e favelas, Zizo alimenta sua pena, seu sarcasmo, sua grossa ironia. As coisas caminham de maneira descontrolada, mas ao mesmo tempo todas as relações estão estabelecidas em cima do mundo que Zizo criou e alimentou para si mesmo.

Saudações Antimanicomiais,
Coletivo PIRA

PIRA indica: Artes de Susano Correia

O Coletivo PIRA, ao longo de sua história, tem encontrado importantes aliados para que o debate da Saúde Mental seja sempre fervoroso e atuante na nossa cidade de Florianópolis-SC. Susano Correia (http://www.notasvisuais.com/) é um desses aliados, que vem se aproximando do nosso grupo aos pouquinhos. Hoje, o Coletivo PIRA indica sua arte  através das palavras e de alguns trabalhos dele.

“Me chamo Susano Correia, nascido em Florianópolis a 17 de janeiro de 89. A arte apareceu na minha vida através do desenho. Eu gostava muito de desenhar antes de dormir, sozinho. Lá pelos meus 9 anos, eu já tinha noção que minha relação com o desenho era um pouco diferente, eu levava muito a serio. Tinha até um pouco de medo e vergonha de mostrá-los, uma espécie de auto-proteção. Medo que os comentários ou criticas ou até mesmo elogios estragassem alguma coisa em mim que eu sabia que ainda era frágil.

Menino com catavento, Susano Correia

E eu amadureci e o desenho também, paralelamente, como se ele fizesse parte do meu caráter e do meu desenvolvimento. Até mesmo quando eu adoecia, ele ficava doente. E com o tempo pude perceber que isso acontecia porque a minha arte e eu somos a mesma coisa, de modo que ela é a sombra de mim que ficou em um momento, sujeita a ser eternamente julgada por algo que eu nem sou mais. Mas que eu assumo.

Homens deprimidos sentados em um banco e cachorro, Susano Correia

Em minha opinião, loucura tem tudo a ver com arte e vice-versa. Porque a espontaneidade é fator fundamental em uma obra para que me toque, provem de algo necessariamente contrario a razão.” (Susano Correia)

Anjos Rebeldes: Anjo com Arma, Susano Correia

O Coletivo PIRA apóia a criação e a arte como elementos de revisitas e resignificações do mundo.

Mais informações e contato: http://www.facebook.com/notasvisuais.

Saudações Antimanicomiais,
Coletivo PIRA

PIRA indica: Filme & Livro

Trazemos aqui mais algumas indicações de colaboradores do Coletivo PIRA, para ampliarmos nossos olhares sobre a subjetividade e a loucura.

Se você tiver qualquer indicação de algum filme, texto, poesia, artes visuais e etc. mande para pirantimanicomial@gmail.com !

Filme
Tão forte, tão perto – EUA, 2012. Direção de Stephen Daldry.
Após perder o pai, o menino Oskar, que tem síndrome de Asperger, trava uma batalha pessoal para superar o luto e se reconectar com o mundo. O filme é um drama que trabalha bem a saudade e a esperança.

 

Livro
Cinema e loucura: Conhecendo os transtornos mentais através dos filmes. De J. Landeira-Fernandez e Elie Cheniaux. Porto Alegre, Artmed, 2010, 287 páginas.
Apesar de tratar das ideias de transtornos mentais numa perspectiva bastante categórica relacionada aos manuais DSM IV e CID-10, o livro está recheado de boas opções de filmes, sobre diferentes perspectivas. Vale a pena a leitura e uma discussão!

Indicações de: Viviane Borges.

PIRA indica: Leitura sobre conjuntura política e Reforma Psiquiátrica

Como já anunciamos, o Coletivo PIRA realizará seu Planejamento semestral nessa quinta-feira, 09/08 a partir das 16h. Estão todxs convidadxs: quem não conhece o grupo e quer conhecer, quem nos conhece e quer se ajuntar, quem já tá ajuntado e quer ficar, quem quer só ver como é o planejamento.

Para o Planejamento, recomendamos a leitura do texto “Crise mundial, conjuntura política e social no Brasil e os novos impasses teóricos na análise da Reforma Psiquiátrica no País”, do Prof. Dr. Eduardo Mourão Vasconcelos. O professor é docente da Universidade Federal do Rio de Janeiro e trabalha com questões centrais da luta antimanicomial e Saúde Mental no Brasil.

Segue o link para o texto: Crise mundial, conjuntura política e social no Brasil e os novos impasses teóricos na análise da Reforma Psiquiátrica no País, Eduardo Mourão Vasconcelos.

Saudações Antimanicomiais,
Coletivo PIRA

PIRA indica: Filmes & Loucura

O que vocês acham de trocarmos sugestões sobre o que nos afeta?

Nós do Coletivo PIRA tivemos a ideia de sugerir aqui no blog filmes, livros, historias de vida e outras produções das mais variadas para que esse espaço também seja de trocas de criações e experiencias. Se você tem qualquer ideia a sugerir, envie-nos um recado no facebook ou nos mande um e-mail (pirantimanicomial@gmail.com)!

PIRAindica: Alguns Filmes & A Loucura

Menos que Nada, 2012, Brasil. Direção de Carlos Gerbase.
“Menos que nada” é a história de Dante, sujeito internado há dez anos num hospital psiquiátrico. Ele é considerado um caso perdido, até que uma jovem médica decide tratar dele e estudá-lo. Ao investigar o passado de Dante, surgem três personagens importantes – seu pai, uma amiga de infância e uma importante cientista, por quem Dante estava apaixonado. Nem todos eles querem revelar o que sabem.

(Indicado por Felipe Brognoli).

The Bridge (A Ponte), 2006, Inglaterra/EUA. Direção de Eric Steel.
A ponte Golden Gate, em São Francisco, é um dos maiores pontos turísticos dos EUA. O que poucos sabem é que o local não atrai somente turistas, mas também suicidas. Tanto que a ponte é o lugar que atrai mais pessoas com potencial suicida. Em 2004, Eric Steel e sua equipe filmou dois pontos da ponte, durante o dia, registrando os últimos momentos de mais de vinte pessoas e impedindo mais algumas de cometer suicídio. O filme também conta com depoimentos de amigos e familiares dessas pessoas.

(Indicado por Leonardo Bitencourt).

Réquiem Para Um Sonho, 2000, EUA. Dirigido por Darren Aronofsky.
O roteiro é uma adaptação de um livro de mesmo nome escrito por Hubert Selby Jr. e publicado em 1978. O filme trata de uma jornada profunda no mundo das drogas através de quatro personagens principais. A mãe torna-se viciada em comprimidos para emagracer, enquanto o filho injeta-se todos os dias com seus amigos e namorada. Suas vidas logo se tornarão um inferno.

(Indicado por Maria Luiza Rovaris).

Saudações antimanicomiais!
Coletivo PIRA